Tumores Ósseos Benignos Diversos

TUMORES ÓSSEOS BENIGNOS DIVERSOS

Tumores Neurais

    Tumores ósseos neurogênicos são muito raros, mas neurilemomas definidos foram descritos. Em radiografias eles são observados como lesões líticas individualizadas. Seu aspecto microscópico é semelhante ao dos neurilemomas do tecido mole. Neurofibromas também se desenvolvem no osso, uma variedade de outras anormalidades musculoesqueléticas não necessariamente relacionadas á presença de neurofibromas individualizados pode ser encontrada, como hipertrofia de partes, cifoescoliose, arqueamento congênito de ossos e pseudoartrose congênita de ossos.

 

Tumores Vasculares

   Hemangioma e o tumor vascular benigno mais comum do osso. A maioria dos hemangiomas compromete o corpo vertebral ou o crânio. O envolvimento de outros ossos é raro. As radiografias costumam mostrar lesões líticas múltiplas ou multiloculares. Comprometimento vertebral geralmente é um achado acidental e exige tratamento apenas quando a função neurológica é afetada. Anteriormente, a radioterapia foi fundamental para o tratamento, mas com a evolução da cirurgia da coluna vertebral anterior, a maioria dos hemangiomas pode ser satisfatoriamente tratada por meios cirúrgicos. A perda sanguínea pela curetagem essas lesões pode ser extensa. Nenhuma terapia mudou o curso da doença de maneira eficaz para que o seu efeito seja previsível.

 

Tumores Gordurosos

   Lipoma intraósseo é raro. Os pacientes apresentam dor ou edema, ou ambos, ou uma lesão radiotransparente é descoberta acidentalmente por radiografia. Biópsia é necessária para estabelecer o diagnóstico e a cura é efetuada por curetagem e enxerto ósseo. Nenhuma recorrência foi relatada.

 

TUMORES FORMADORES DE OSSO

Osteoma Osteóide

   O osteoma osteóide é um neoplasma benigno observado mais frequentemente em homens jovens. Qualquer osso, ou quase todos, pode ser comprometido, embora haja uma predileção pela extremidade inferior, a metade dos casos comprometendo o fêmur ou a tíbia. O tumor pode ser encontrado em osso cortical ou esponjoso, produzindo um aspecto radiográfico distinto de esclerose cortical. O paciente típico tem dor que piora à noite e é aliviada com aspirina.

   Radiografias de rotina muitas vezes são diagnosticadas, mas cintilografias ósseas ou TC são muitas vezes necessárias para localizar exatamente a lesão.

   Para efetuar uma cura, o local de origem inteiro precisa ser removido.

 

TUMORES CARTILAGINOSOS

Osteocondroma

   Os osteocondroma são mais comuns dentre os tumores ósseos benignos. Eles provalvemente são malformações do desenvolvimento, em vez de neoplasmas verdadeiros, e considera-se que originam-se dentro do periósteo como pequenos nódulos cartilaginosos. As lesões consistem em uma massa óssea, muitas vezes na forma de um pedículo, produzida pela ossificação endocondral progressiva de uma capa cartilaginosa em crescimento. Diversamente dos neoplasmas verdadeiros, o seu crescimento em geral ocorre paralelo ao do paciente e costuma cessar quando a maturidade esquelética é atingida. Cerca de 90% dos pacientes tem apenas uma única lesão.

   Muitas destas lesões não apresentam sintomas e são descobertas acidentalmente. Algumas causam dor ao inflamarem as estruturas adjacentes, e raramente uma delas é fraturada.

   Cirurgia está indicada quando a lesão é suficientemente grande e de má aparência ou produz sintomas provenientes da pressão sobre estruturas  adjacentes, ou ainda, quando aspectos radiográficos sugerirem malignidade.